Blog na rede desde Abril de 2006

sábado, 17 de fevereiro de 2007



LISBOA - Campo Grande - porta de entrada no Retiro Quebra Bilhas
A pressão urbanística e a "Opus Dei" não perdoam
Quem se opõe...??


Lisboa continua de luto.
Depois da destruição da casa de Almeida Garret, chegou a vez de fechar as portas o antigo Retiro Quebra Bilhas no Campo Grande.
Fundado em 1793, este famoso restaurante de Lisboa era o único sobrevivente dos muitos retiros e hortas que existiam ao longo das principais estradas que ligavam Lisboa aos arredores.
O Retiro Quebra Bilhas, com o seu célebre quintalão, está intimamente ligado à história do fado, sobretudo depois de 1840, quando se tornou um hábito cantar o fado nestes locais. Uma tradição que manteve ao longo de todo o século XX, sendo um local muito frequentado por fadistas.
O Quebra Bilhas foi no século XIX, um ponto de encontro obrigatório de estroinas que aqui vinham passar os touros a caminho da praça de touros do Campo Santana, dos que frequentavam a antiga Feira do Campo Grande.
Expressão viva da tradição culinária lisboeta, o Quebra Bilhas oferecia ao visitante os pitéus e pratos característicos dos antigos retiros. Quis o destino que o actual proprietário do edifício onde estava instalado o Retiro de Quebra Bilhas pertencesse a uma organização religiosa, o misterioso “Centro Cultural do Campo Grande” da Opus Dei. Garantem-nos no dito Centro Cultural que o Quebra Bilhas fechou de vez, mas as suas portas voltarão a abrir, não como retiro de amantes da boa comida e das tradições lisboetas, mas para retiros espirituais dos seguidores do beato espanhol Josemaría Escrivá.
Ao longo de dois séculos o Quebra Bilhas resistiu a tudo, mas não à actual onda de desmemorização que está a ser estimulada pela CML, onde se sucedem os atentados ao património. Aos poucos a cidade está a perder a sua identidade, com a cumplicidade daqueles de quem seria de esperar uma outra atitude. Nem uma palavra até à data se ouviu da CML e de outros órgãos autárquicos.
O silêncio da autarquia é total, mas será que os amantes de Lisboa e do fado irão deixar que mais este atentado ao património seja cometido?

1 comentário:

Jofre Alves disse...

Passei de novo para ver e admirar a vossa interessante página, elegante e bonita. Bom fim-de-semana.